Emir Sader

A cada governo, seu Ministro do Trabalho

Em um documentário forjado para gozar os ministérios das ditaduras militares, o grupo de humor argentino Les Luthiers apresentava um jornal cinematográfico que anunciava a posse de novos ministros: Ministro da Economia – General de Brigada Fulano; Ministerio da Defesa – Marechal de Campo Beltrano, etc., etc. Para terminar: Ministro do Trabalho – Cabo Segundo Juan Perez. Para dar a medida da relação do governo com cada tema e com cada setor da sociedade.

O ex-ministro do governo FHC e agora candidato tucano-demista a presidência, repete, sem entender o sentido, a "acusação" que o ex-sociólogo e seu líder FHC tinha feito, de que o governo do PT era um "sub-peronismo" (sic). Sem saber do que se trata, o candidato da direita diz que o governo Lula virou uma "republica de sindicalistas".

Para saber a medida da forma como o governo FHC-Serra tratou os trabalhadores brasileiros, basta lembrar quem foi o ministro do trabalho do segundo governo daquela dupla desgovernada: ninguém menos do que Francisco Dornelles. O ex-ministro da ditadura, representante no governo FHC-Serra do partido mais autenticamente originário da ditadura: ex-Arena, ex-PDS, depois PP, sob a direção de Paulo Maluf.

A quem representava Dornelles no Ministério do Trabalho? Quando trabalhou? Quando se relacionou com o sindicatos? Que projetos apresentou a favor dos trabalhadors na Constituinte?

Era, evidentemente, o representante do capital, do grande empresaraiado. Dá a medida de como o governo FHC-Serra concebia a relação com os trabalhadores. Desde o ponto de vista dos grandes empresários, dos políticos originários da ditadura, do capital financeiro, do malufismo.

Parece-lhes então insólito que o movimento sindical brasileiro, através das suas centrais sindicais, apoie um governo que promoveu o aumento sistemático dos salários dos trabalhadores acima da inflação; que elevou permanentemente o nível do emprego formal. Tudo isto, na contramão do governo FHC-Serra, que promoveu um brutal arrocho nos salários, elevou o desemprego e o subemprego a niveis recordes e fez com que a maioria dos trabalhadores brasileiros não tivesse mais carteira de trabalho, estivessem submetidos a uma brutal superexploração.

Os professores paulistas conhecem bem a atitude do ex-governador de Sao Paulo. Os atos valem muito mais do que palavras. Os trabalhadores brasileiros sabem com foram tratados por FHC-Serra-Dornelles e não querem nunca mais saber deles de volta.

Como disse o presidente da CUT, é hora do ex-governador de Sao Paulo e do ex-presidente dos ricos do Brasil pensarem no segundo desemprego, mas principalmente, na sua aposentadoria.

Fonte: http://www.cartamaior.com.br/templates/postMostrar.cfm?blog_id=1&post_id=505

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: